Os encantos da “Magia Negra”…

Pode não acreditar em rituais oriundos de uma qualquer tribo, mas também não importa para o caso, pois aquilo a que nos referimos como magia, não tem nenhum efeito controverso, nem é nenhuma mistura estranha de ingredientes exuberantes, antes as propriedades únicas do carvão. Sim, o carvão vegetal que provavelmente também utiliza para assar sardinhas no São João. 

Consideremos então a magia negra do carvão, pois nada supera o poder do carvão para absorver a gordura da pele e expulsar as impurezas retidas nos seus poros. O carvão tem propriedades ‘magnéticas’ e, como reconhecem muitos membros da comunidade científica, é um dos ingredientes mais eficazes para levantar e remover a obstrução dos poros cheios de escombros. Também é ótimo para o tratamento de acne e pele propensa à oleosidade. O carvão vegetal é conhecido por absorver, imagine-se, mais de cem vezes o seu peso natural em impurezas, tornando-se num ótimo ingrediente para desintoxicar e limpar a pele. O carvão activado tem a ‘Magia’ de chamar bactérias, sujidade e outros micro-partículas para a superfície da pele.

“I found this in the apartment. Black soap. She used to wash her face eight hundred times a day with black soap. Don’t ask me why.”
— Woody Allen, 1977, Annie Hall

Mas como se terá lembrado o Dr. Erno Laszlo de formular um dos seus sabonetes “Mágicos” com carvão? A verdade é que não foi o primeiro. Há milhares de anos que este ingrediente é utilizado medicinalmente. Crê-se que os antigos egípcios tê-lo-ão usado como um cataplasma para manter as feridas limpas. Assim como existem documentos hindus, datados de 450 a.c., onde se lê como o carvão era utilizado para filtrar água. Coube ainda aos Egípcios, e também por volta do quinto século a.c., a descoberta de outras propriedades desta ‘Magia Negra’. Descobriram que era um óptimo conservante com propriedades anti-bacterianas e anti-fúngicas. Ainda por volta desses mesmos anos, também os navios mercantes fenícios já navegavam pelo Mar Mediterrâneo transportando a bordo água armazenada em barris de madeira carbonizados. Quanto a assuntos de natureza de cuidados-pessoais e bem-estar, imagine-se que o carvão, também foi utilizado como um dos ingredientes chave num dos produtos mais emblemáticos de beleza de todos os tempos: o Kohl, ou seja, o descendente direto do moderno eyeliner e muito utilizado no Egito antigo para escurecer os olhos, sobrancelhas e pálpebras.

Agora, aquilo que não podemos precisar é se alguma das musas de Erno Laszlo, como a Marilyn ou a Greta usavam, ou não, o já na altura não menos famoso sabonete ‘Deep Sea Cleansing Bar’. Um sabonete formulado com uma combinação imbatível de minerais essenciais provenientes do Mar Morto e pó de carvão, o ingrediente ‘Mágico’ que prometemos que deixará a sua pele mais lisa e brilhante, mas sem restos de oleosidade.

Esta barra, 97% negra natural, é um ótimo esfoliante que estimula a circulação de forma a aumentar a regeneração da pele. Ah, e agora já nos lembramos quem imortalizou este sabonete ‘Preto’ no grande ecrã. Não foi nenhuma musa, mas antes Woody Allen, citando-o no seu filme de 1977, ‘Annie Hall’, quando pronúncia: “I found this in the apartment. Black soap. She used to wash her face eight hundred times a day with black soap. Don't ask me why.”… mas nós dizemos-lhe porquê, Diane Keaton só queria obter o ‘Laszlo Glow’.

Woody Allen - Annie Hall (1977)

Erno Laszlo, Sea Mud Soap